Este executivo passou 9 dias na China – e voltou apavorado – Época NEGÓCIOS


Lucas Marques, COO da startup Méliuz, em visita à China (Foto: Acervo pessoal)

Lucas Marques foi até a China – e voltou apavorado. O executivo é chefe de operações da startup Méliuz e realizou uma viagem com outros executivos, de startups a empresas grandes, para ver o que o país asiático tem produzido no campo da tecnologia. O choque foi enorme e, assim que voltou, ele escreveu um texto em seu LinkedIn, “para colocar as ideias em ordem”, como explica a Época NEGÓCIOS. O título dá o tom: “Por que 9 dias na China me deixaram apavorado”.

Um declarado fã de Jack Ma e de sua empresa, a Alibaba, Lucas tem estudado a China e seus modelos de negócios e de inovação desde 2014. Mas esta foi sua primeira ida ao país. “Voltei com a impressão de que eles estão 10 ou 15 anos na frente em termos de infraestrutura, além da produção, uso e adoção de tecnologia pela sociedade”, diz. “O governo tem claramente a noção de que esse é o futuro.”

Leia mais: Como empresas chinesas de tecnologia se tornaram gigantes globais

Na viagem, viu um pouco de tudo que tem sido produzido por lá – de veículos elétricos (“todos os veículos públicos já são elétricos em Shenzhen”), até a preparação da infraestrutura para a rede 5G (“o que todos dizem é que a Huawei está 10 anos na frente dos concorrentes”).

saiba mais

Os impactos disso não são apenas para o presente. Ele usa machine learning, uma modalidade de inteligência artificial, como exemplo. “Numa sociedade de 1,4 bilhão de pessoas na qual a privacidade não é uma questão tão discutida como no mundo ocidental, empresas do governo têm acesso a uma quantidade de dados tão grande que provavelmente vai resultar nos melhores modelos de ML”, afirma a Época NEGÓCIOS. “Quando se fala em machine learning, o mais importante é a quantidade de dados – mais do que número de desenvolvedores.”

O desenvolvimento do 5G é outro ponto que deve moldar o futuro do desenvolvimento de tecnologia. “A China, provavelmente, vai ter a melhor conexão 5G, o que vai permitir o desenvolvimento das melhores empresas de IoT [internet das coisas], de carros autônomos, de telemedicina cirúrgica guiada por internet, entre outras coisas.”

Leia mais: China está prestes a se tornar o país mais influente em pesquisa de inteligência artificial

A viagem foi organizada pelo ITS Rio (Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio), que estuda o impacto e o futuro da tecnologia no Brasil e no mundo. Estavam presentes representantes de fundos de investimentos, executivos, um deputado e advogados. A visita passou por empresas e fundos de venture capital da China.

Lucas ressalta que é crucial que brasileiros saibam o ritmo de desenvolvimento tecnológico e de inovação na China – por mais difícil que seja pela distância física e cultural. “Saber que tudo é gigantesco e que não temos ideia disso assusta. É um desafio gigante pegar informação de lá. Mas, sem saber do que acontece, vamos ficar muito para trás”, diz. “Sem informação, será como saber que um meteoro vai atingir a Terra em um segundo.”

A experiência trouxe lições ao executivo. “Volto com a certeza que temos que investir mais em inteligência artificial do que investimos. É algo que será muito disruptivo em termos de impacto nos negócios e na vida dos usuários.”

Acompanha tudo de Época Negócios? Agora você pode ler nossas edições e matérias no Globo Mais, o app com conteúdo para todos os momentos do seu dia. Baixe agora!



Source link

You May Also Like

About the Author: Marisa Ferreira

Pioneiro profissional zumbi. Especialista em internet incurável. Praticante de TV. Comunicador.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *